12 Razões científicas para 84% dos vegetarianos voltarem a comer carne

12 Razões científicas para 84% dos vegetarianos voltarem a comer carne

O vegetarianismo e o veganismo não são apenas uma dieta específica, mas um estilo de vida também. São defendidos por atender a uma série de razões sociais, ecológicas e éticas. Mas uma pessoa que, por pelo menos 18 anos comeu carne, mudaria para uma dieta à base de vegetais pelo resto de sua vida? Cientistas britânicos realizaram um estudo, durante o qual foi descoberto que 84% dos vegetarianos e veganos voltaram a consumir carne. E esta decisão é explicada por várias razões que você encontrará neste post.

Incrível.club estudou cuidadosamente os motivos, não apenas do ponto de vista moral, mas considerando também as características físicas do ser humano.

1. Planejando a dieta com antecedência

12 Razões científicas para 84% dos vegetarianos voltarem a comer carne

Se você está acostumado a comer lanches e muitas vezes esquece o almoço ou o jantar, o vegetarianismo provavelmente não é indicado. Sua dieta não pode consistir de uma barra de chocolate e uma pequena quantidade de brócolis cozido: ela deve ser meticulosamente planejada e os produtos preparados com antecedência. E antes de ir a um restaurante, você deve examinar cuidadosamente o menu e a composição dos pratos.

2. Deficiência de vitaminas

12 Razões científicas para 84% dos vegetarianos voltarem a comer carne

Além de proteína e ferro, a comida vegetariana carece de vitaminas e microelementos, incluindo a B12 e a D, assim como cálcio e cobre. Seu déficit é acompanhado dos seguintes sintomas:

  • B12: dormência das extremidades, dores de cabeça e depressão. Sua principal fonte são frutos do mar (camarão, salmão, sardinha) e carne (cordeiro, fígado de vitela).
  • D: fraqueza geral, dor óssea, infecções frequentes. Esta vitamina é abundante em produtos lácteos frescos, queijo, iogurte e ovos.

Portanto, neste caso você teria que tomar esses elementos através de pílulas e suplementos que devem ser adicionados à sua dieta principal.

3. Déficit de zinco

A deficiência de zinco é um dos fenômenos mais perigosos para o corpo humano, e é mais comum em vegetarianos estritos. Se você notar uma perda grave de cabelo, nervosismo permanente, alteração na coordenação e as feridas em sua pele demoram mais tempo a cicatrizar do que o habitual, você deve consultar seu médico.

Embora muitas plantas contenham oligoelementos necessários que reagem com o zinco, elas ainda inibem o processo de sua absorção. Ao digerir produtos de origem animal, como a carne, o zinco é absorvido de maneira muito mais fácil e rápida.

4. Síndrome do intestino irritável

Se, apesar disso, você decidiu se tornar vegetariano ou vegano, primeiro consulte um gastroenterologista. Uma dieta que consiste inteiramente de alimentos vegetais ricos em fibras, como vegetais e frutas, bem como substitutos do leite, pode desencadear a síndrome do intestino irritável. Isto foi confirmado cientificamente a partir de um estudo, em 2017.

Por causa disso, as pessoas que decidiram por este tipo de alimentação precisam reduzir a quantidade de suco de frutas e consumir mais alimentos ricos em carboidratos, como batatas e aveia.

5. Alergia à soja

soja é uma das principais fontes de proteína em pratos vegetarianos e veganos. Cerca de 12% da população sofre de alergias à soja e seus produtos. É encontrada em alimentos como tofu e tempeh, além de nozes, sobremesas e condimentos. De acordo com a Verywell Health, a soja pode ser encontrada em caldos vegetais instantâneos, barras de proteína e alguns alimentos congelados. Este tipo de alergia pode limitar significativamente a variedade na escolha de alimentos.

6. Alergias às frutas secas

Creme de castanha de caju, manteiga de amendoim, leite de amêndoa e queijos de nozes são apenas algumas das opções tentadoras para os veganos que querem adicionar gorduras saudáveis ​​e aromas agradáveis ​​à sua dieta. Mas se você é alérgico às frutas secas, isso pode ser um obstáculo para uma boa nutrição vegana. A condição se manifesta por meio do avermelhamento da pele com coceira, náusea e vômito, e pode até causar choque anafilático letal.

Como as castanhas costumam ser usadas como fonte de proteína em pratos e sobremesas veganas (o leite de amêndoa, por exemplo, pode ser encontrado no chocolate vegano), é muito importante que você lembre os amigos, caso sofra de alergia, sobre esse fato quando for convidado para uma refeição ou ao visitar restaurantes.

7. Componentes animais onde menos se espera

As pessoas que seguem uma dieta vegetariana devem certificar-se de obter todas as vitaminas de que seu corpo precisa e evitar produtos de origem animal, que podem se esconder inesperadamente. A revista Eluxe informou que alguns alimentos vegetarianos podem conter pequenas quantidades de origem animal.

Entre eles, o suco de laranja industrializado (alguns fabricantes acrescentam ácidos graxos ômega-3 derivados de óleo e gelatina de peixe), molhos (por exemplo, inglês, que é feito de peixe), goma de mascar e até os figos. Esta fruta contém proteína animal, que permanece como resultado da excisão de uma enzima especial, a ficina, de vespas mortas. Os insetos põem ovos nos figos e, além disso, alguns insetos não têm tempo de deixar a fruta antes que ela amadureça, de modo que morrem nela.

8. Falta de ferro em mulheres grávidas e lactantes

Outro problema que afeta a maioria dos vegetarianos é a falta de ferro. Não importa quão rico seja o produto vegetal, o fenômeno se explica porque ele é mal absorvido por ter uma forma diferente e menos acessível do que o ferro presente em produtos animais. A deficiência desse elemento é especialmente perigosa para mulheres grávidas, que estão amamentando ou planejando a gravidez, assim como as que têm sangramento intenso na menstruação. Por exemplo, em mulheres grávidas, esse tipo de deficiência pode causar parto prematuro e baixo peso do bebê no nascimento.

9. Os pets têm a dieta deles e você a sua

Se você escolheu ser vegetariano, em nenhum caso deve aplicar suas preferências ao seu cão ou outros animais de estimação que, por sua natureza, são predadores (especialmente gatos) ou onívoros. E mesmo que seja fácil para você acostumar seu bichinho a uma dieta vegetariana e se convencer de que isso lhes dá prazer, se você lhes der a chance de escolher entre alimentos de origem vegetal ou animal, eles provavelmente escolherão a segunda opção.

10. Rejeição forçada de certos medicamentos, bem como
de cebola e alho

A maioria dos medicamentos contém ingredientes de origem animal, por isso os vegetarianos estritos são forçados a abandoná-los. No processo de mudar para uma dieta diferente, bactérias saprófitas aparecem nos intestinos de um vegetariano, processam a fibra e produzem os mesmos aminoácidos essenciais de origem animal. E estes podem ser destruídos com esses medicamentos.

Quanto aos “antibióticos naturais”, como cebola e alho, eles têm um efeito prejudicial sobre a microflora intestinal. Portanto, pessoas com uma dieta vegetariana devem abster-se de consumir tais alimentos e controlar cuidadosamente a microflora intestinal.

11. Os atletas necessitam de um equilíbrio especial
na sua alimentação

Sim, o próprio Mike Tyson é vegano. Mas ele não se converteu enquanto dedicava-se profissionalmente ao boxe, mas 5 anos depois de terminar sua carreira. Proteínas de origem animal ajudam a manter o corpo em boa forma. Portanto, ao praticar esportes e optar por uma dieta vegetal, você deve planejá-la cuidadosamente e manter um equilíbrio de proteínas, gorduras e carboidratos.

12. As crianças precisam de nutrição completa para crescer
e se desenvolver

Este ano, um casal vegano quase matou de fome seu bebê de cinco meses, desistindo da fórmula infantil e introduzindo uma receita à base de batata encontrada na internet. O pequeno ficou com as bochechas ocas, costelas salientes e pronunciadas, sem forças inclusive para se mover.

Portanto, ao preparar uma dieta para crianças novinhas, assim como para os adolescentes, é necessário incluir produtos de origem animal: elas precisam para o desenvolvimento normal de um corpo jovem. Por exemplo, a carne contém proteínas, que agem como material de construção das células, e o colesterol, apesar da crença generalizada de que é prejudicial ao organismo, é realmente benéfico para o sistema nervoso e para o cérebro.

Em qualquer caso, a escolha é sua. Mas antes de optar por qualquer dieta, consulte o seu médico. Você é vegano ou vegetariano? Deixou de ser ou começou agora? Conte sua experiência.

Envie seu comentário