80% do COVID-19 se espalha de pessoas que não sabem que estão doentes

80% do COVID-19 se espalha de pessoas que não sabem que estão doentes

Estudo publicado na revista Science mostrou que 80% dos casos de infecção pelo novo coronavírus são decorrentes de pessoas que não sabem que estão doentes. Realizado pela Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, o estudo desenvolveu um modelo matemático de disseminação de doenças infecciosas tendo como base dados da China, onde se originou o surto de COVID 19.

O modelo estima quase 80% dos casos confirmados da doença originados dos chamados casos “não documentados”, ou aqueles que apresentaram sintomas leves, limitados ou inexistentes e que não foram diagnosticados como resultado. Os pesquisadores acreditam que as descobertas ajudam a explicar a rápida disseminação global do vírus.

O modelo matemático simula a “dinâmica espaço-temporal” das infecções entre 375 cidades chinesas. Os pesquisadores dividiram as infecções por COVID-19 em dois tipos: indivíduos infectados confirmados e documentados com sintomas e indivíduos infectados não documentados, com o último baseado em estimativas.

Os pesquisadores calcularam taxas de transmissão separadas para cada um desses dois tipos com base na população e no movimento de pessoas entre os locais. Com essa abordagem, os autores estimaram que, antes das restrições de viagem implementadas em 23 de janeiro de 2020, 86% de todas as infecções na China não eram documentadas. Isso se traduz nos quase 82.000 casos confirmados, provavelmente com uma fração do total real de casos.

De acordo com os pesquisadores, os resultados sugerem que um em cada sete casos de COVID-19 apresenta sintomas suficientemente graves para permitir o diagnóstico confirmado, porque apenas aqueles com sintomas graves buscam tratamento.

Os autores acreditam que, por pessoa, a taxa de transmissão de infecções não documentadas foi de 55% das infecções documentadas. No entanto, devido ao seu maior número, infecções não documentadas foram a fonte de infecção em 79% dos casos documentados.

Envie seu comentário