Entenda porque todos dessa família andam ‘de quatro’

Entenda porque todos dessa família andam ‘de quatro’

Descoberta em 2005 e tema de um documentário produzido pela BBC, a família Ulas vive em local não revelado no sul da Turquia. Eles ganharam os noticiários do mundo todo por uma questão muito incomum: o modo como eles andam. Resit e Hatice possuem 19 filhos, onde 12 deles caminham de forma ‘normal’ e os outros 7 enfrentam problemas relacionados a isso.

Cinco deles possui como característica o hábito de andar de quatro, ou a chamada marcha quadrúpede, que nunca havia sido relatada em humanos que não apresentam nenhum tipo de condição anatômica especial. Um dos sete filhos morreu e uma outra criança, Gülin, consegue caminhar de pé, mas quando caminha, as pessoas dizem que seus passos se “parecem com os de um bêbado”.

Descoberta em 2005 e tema de um documentário produzido pela BBC, a família Ulas vive em local não revelado no sul da Turquia. Eles ganharam os noticiários do mundo todo por uma questão muito incomum: o modo como eles andam. Resit e Hatice possuem 19 filhos, onde 12 deles caminham de forma ‘normal’ e os outros 7 enfrentam problemas relacionados a isso.

Cinco deles possui como característica o hábito de andar de quatro, ou a chamada marcha quadrúpede, que nunca havia sido relatada em humanos que não apresentam nenhum tipo de condição anatômica especial. Um dos sete filhos morreu e uma outra criança, Gülin, consegue caminhar de pé, mas quando caminha, as pessoas dizem que seus passos se “parecem com os de um bêbado”.

O engatinhar

Os irmãos andam de quatro, apoiados sobre os pés, ao invés dos joelhos e com os pulsos sobre o chão. Essa andado é conhecido como ‘bear crawl’ (ou rastejo do urso, em tradução livre). Alguns cientistas tentaram explicar tal fenômeno a partir de algumas teorias. Dentre elas, estava a da “evolução inversa”.

Uner Tan, biólogo da Çukurova University Medical School, em Adana, na Turquia, afirmou que os irmãos Ulas apresentaram características de nossos ancestrais primatas antes que eles tivessem aprendido como caminhar de pé. Tan acredita na teoria da evolução inversa e a chamou de ‘Síndrome de Uner Tan’.

De acordo Stefan Mundlos, professor e geneticista de Berlin, na Alemanha, ele acredita estar faltando nos irmãos um gene específico, que seria responsável por seu quadrupedalismo. Já para o psicólogo inglês, Nicholas Humphrey, ela acredita que a causa seja uma ataxia cerebelar.

O cerebelo é responsável por nosso equilíbrio e orientação no espaço. Danos a essa parte de nosso cérebro podem resultar em distúrbios no equilíbrio e no caminhar. Para Roger Keynes, cientista britânico, o problema da família Ulas é um ‘defeito’ no vermis cerebelar. Entretanto, danos ao cerebelo não poderiam explicar como Gülin, que herdou a mesma condição que seus irmãos poderia andar de pé, mesmo que com dificuldades.

As causas

Os cientistas argumentam que na verdade o problema seja de causa dupla – uma combinação rara de uma mutação genética hereditária recessiva e que causou ataxia cerebelar congênita não progressiva aos filhos de Resit e Hatice. Apesar de problemas para se equilibrarem de pé, os irmãos Ulas não evidenciaram problemas de fala, coordenação das mãos ou movimento dos olhos.

Como eles não usam toda a mão para caminhar, seus dedos ficam quase livres de danos e traumas. Diferente dos chimpanzés, que usam os ‘nós’ dos dedos enquanto caminham. Resit afirmou que nunca tentou corrigir o caminhar de seus filhos por não considerar que eles fossem deficientes ou tivessem algum problema.

Os pais ainda contaram que quando crianças, seus filhos engatinhavam normalmente como qualquer outro bebê quando está prestes a andar. Mas, conforme foram crescendo, eles continuaram a engatinhar, de modo mais parecido com a posição do “rastejar do urso”. Assim que o documentário produzido pela BBC foi ao ar, as pessoas começaram a se engajar para ajudar a família.

Profissionais ligados à área da saúde decidiram ajudá-los, oferecendo fisioterapias e até mesmo criando uma fundação para conseguir mais pessoas que pudessem ajudá-los ou a qualquer outra pessoa que necessite de reabilitação. Apesar do apoio da família, os irmãos Ulas sofrem com a hostilidade das pessoas na aldeia onde vivem e lidam com provocações das crianças.

Eles até mesmo precisaram se mudar devido as pessoas acreditarem que sua casa era amaldiçoada. A família Ulas recebeu alguns materiais e equipamentos para sua reabilitação e prática das fisioterapias. O psicológo turco, Defne Aruoba, está em busca de tornar a Fundação Ulas, para tentar ajudar a família e a diminuir as desigualdades sociais, um sonho real.

Fonte: Fatos Desconhecidos

Envie seu comentário